Os amigos: Lou Salomé, Nietzsche & Paul Rée

No episódio anterior, narrei o encontro de Lou Andreas-Salomé com Sigmund Freud. Hoje destaco o primeiro encontro de Lou com Friedrich Nietzsche em abril/1882 nas escadarias da Basílica de São Pedro em Roma. Com olhar penetrante, Nietzsche lançou, num olhar de águia, a pergunta derradeira: “De que estrelas caímos um ao encontro do outro?

Lou Andreas-Salomé

O encontro foi previamente construído pela mediação de Paul Rée e Malwida von Meysenbug. Em 1880, com 19 anos, a russa Lou decide ingressar na Universidade de Zurique para estudar filosofia e ser escritora. Com diagnóstico de tuberculose, os médicos prescrevem uma viagem à Itália. Malwida, amiga da família, aceita recebê-la em sua residência em Roma.

Mulher exemplar do cosmopolitismo e do liberalismo cultural do século 19, Malwida foi pioneira nos movimentos de emancipação feminina, presença marcante na ação política, refugiou-se na Itália para não ser encarcerada. Em Londres/1855 se tornou amiga de Richard Wagner e, através do músico, conheceu Nietzsche.

Friedrich Nietzsche

Paul Rée conheceu Nietzsche em 1873 e o vínculo de amizade foi instantâneo. Malwida convidou Nietzsche para uma temporada em Sorrento. Ele pede autorização para convidar o amigo Rée. Neste encontro no sul da Itália, “monastério dos espíritos livres”, surgiram os melhores livros do filósofo trágico: Humano, Demasiado Humano; Aurora; A Gaia Ciência.

Quando Lou chegou em Roma, seis anos depois da aventura dos “amigos de Sorrento”, os laços estavam esgarçados. Nietzsche rompeu com Wagner. Malwida tomou partido de Wagner. Nietzsche se revolta. Com Paul Rée encontrou as aventuras de um espírito livre. Lou encontrou na relação e formou a vértice do triangulo amoroso mais produtivo que conheço.

Os dias em Roma deu o tom da intensidade no verão em Tautenburg na Turingia. Foi lá que Nietzsche pediu Lou em casamento. Ela, com delicadeza felina, recusou e insistiu na amizade sem vínculo sexual. Lou estava empenhada em demonstrar, pela própria experiência, a possibilidade do laço amoroso entre amigos homens e mulheres. Aliança tríplice mantida num equilíbrio de forças dionisíacas. Lou se apaixonou por Rée, abandonam Nietzsche e foram morar juntos em Berlim.

Depois do vivido em Tautenburg, no tríplice enlaçamento amoroso, Nietsche escreveu (dezembro/1882) a Franz Overbeck: “agora estou inteiramente só diante da minha tarefa. Preciso de um baluarte contra o mais insuportável de tudo o que vivi”. Nos dias seguintes redigiu a primeira parte do Assim Falou Zaratustra.

Lou foi depositária das potencias dionisíacas de Nietzsche. Nela encontrou sua musa, fonte de inspiração. O deslocamento dessa força amorosa para a escrita do Zaratustra foi decisivo para reconhecer, no primeiro encontro na Basílica, o prenuncio da criação filosófica e literária de cada um dos enlaçados na experiência amorosa.

Nietzsche escreveu o Zaratustra. Lou escreveu seu primeiro livro, Combate por Deus, e o pensamento trágico de Nietzsche. Paul Reé precipitou-se [acidente ou suicídio?] numa caminhada pelos Alpes suíços e é conhecido na história como amigo de Nietzsche e amante de Lou Salomé.

in: Jornal Cidade – Rio Claro/SP – 15/outubro/2021 – Projeto Conhecimento para Todos

Lou Andreas-Salomé passou uma temporada em Viena/1895 para concluir seu escrito sobre Friedrich Nietzsche. O meteórico encontro com o jovem filósofo, nas escadarias da Basílica de São Pedro em Roma onde foi pedida em casamento; o impacto que as aulas do filosofo da Basileia deixou em seu espírito; a experiencia de arrebatamento que a leitura de seus livros deixou, motivaram Lou escrever bio/bliografia de pensamento filosófico de Nietzsche.

Os amigos: Freud e Lou Salomé

Lou Andreas-Salomé passou uma temporada em Viena/1895 para concluir seu escrito sobre Friedrich Nietzsche. O meteórico encontro com o jovem filósofo, nas escadarias da Basílica de São Pedro em Roma onde foi pedida em casamento; o impacto que as aulas do filosofo da Basileia deixou em seu espírito; a experiencia de arrebatamento que a leitura de seus livros deixou, motivaram Lou escrever bio/bliografia de pensamento filosófico de Nietzsche.

Sigmund Freud praticava a clínica médica em Viena/1895; atendendo doentes dos nervos, iniciava a construção da teoria sobre o funcionamento do aparelho psíquico; tal teoria permitia legitimar a intervenção terapêutica do método catártico: escoar as tensões psíquicas através das palavras, fazendo associações livres.

Lou Salomé estava em Viena quando Freud publicou Estudos sobre Histeria/1895. Lucia Morawitz, sua amiga, lembrou ouvir de Lou que teria uma consulta com Dr. Freud. O registro desse primeiro encontro ficou encoberto pelo segundo, no Congresso Psicanalítico realizado em Weimar, setembro/1911.

Lou Salome
Lou Salome

A primeira consulta com Freud foi preliminar à longa e intensa amizade que se seguiu entre o inventor da psicanálise e a escritora russa formada em filosofia e história das religiões pela Universidade de Zurique. Lou tornou-se o ponto de intersecção entre os principais representantes da cultura Ocidental na virada do século 19: dentre eles, Nietzsche, Paul Rée, Rainer Maria Rilke, Freud, Thomas Mann. Lou participou ativamente no trabalho de criação destes artistas da palavra. Foi amiga de cada um, amante de alguns.

De Göttingen em setembro/1912, Lou escreveu a primeira carta a Freud com o pedido de admissão aos encontros de estudos, realizados na sala de jantar de Freud nas noites de quarta-feira:

“desde que assisti ao Congresso de Weimar o estudo da psicanálise é minha mais cara motivação para viver. Quero realizar o desejo de iniciar minha formação psicanalítica e estou disposta a passar alguns meses em Viena. O senhor permitirá que eu me aproxime de si, que assista suas conferências? O único objetivo de minha estadia em Viena é dedicar-me profundamente aos estudos”

Freud respondeu:

“Cara Frau Andreas, quando vier a Viena faremos todo o possível para iniciá-la ao pouco de psicanálise que pode ser demonstrado e comunicado. Já interpretei sua presença no Congresso de Weimar como um bom augúrio”.

No mês seguinte, Lou desembarca em Viena para iniciar sua formação em psicanálise e, enquanto lá permaneceu, manteve troca de cartas com Freud narrando sua trajetória de estudos e as relações com os demais participantes das reuniões das quartas-feira. Numa carta Freud registrou:

“Seu interesse por nossa psicanálise é muito bem-vindo, e a compreensão sutil que a senhora revela em suas observações constitui uma clara fonte de prazer para nosso círculo. Os editores de nosso periódico irão lhe fazer um convite para escrever sobre a relação entre a psicanálise e os problemas da psique feminina”

Na semana seguinte, Freud lamentou a ausência de Lou na conferência:

“adotei o mau hábito de sempre dirigir minha fala a uma pessoa específica do auditório e ontem fixei meu olhar, como se estivesse enfeitiçado, no lugar que lhe havia sido reservado”.

in: Jornal Cidade – Rio Claro/SP – 20/agosto/2021 – Projeto Conhecimento para Todos

Genealogia do masoquismo e do sadismo na neurose e na psicose

Grupo de Estudos em Freud 2021

Genealogia do masoquismo e do sadismo na neurose e na psicose

Encontros online quinzenais – 4ª feira das 19h30 às 21h

Início: 04 de agosto de 2021

Valor: R$ 60,00 por encontro

Inscrições e Informações – Patrícia Olandini:

Whatsapp: (19) 99678-1545

Enunciado:

O trabalho de investigação genealógica da etiologia sexual dos sintomas neuróticos e psicóticos partiu da correspondência [1887-1904] de Sigmund Freud com Wilhelm Fliess e chegou na cartografia do aparelho psíquico construída em 1923 com a publicação do livro O Eu e o Isso.

Desde o início, o problema da interiorização do código moral esteve presente nas leituras realizadas e, em especial, traçamos a genealogia do SuperEu como instância psíquica responsável por instituir o que se nomeou, desde Nietzsche, como consciência moral. Com a nova cartografia do aparelho psíquico em mãos, Freud iniciou o trabalho de reconstrução da teoria e da prática clínica.

A chegada da pandemia em março de 2020 interrompeu os encontros de estudos que ocorria há mais de uma década em Piracicaba. Suspenso o presencial, voltamos agora na modalidade virtual com a forte esperança da transmissão da psicanálise retornar ao contato dos corpos e com este novo hibridismo presencial/virtual.

A posição de Freud em reconhecer o sadismo do SuperEu nos levou à gênese do sadismo e do masoquismo em alguns escritos que registram o deslocamento do caráter primário da pulsão sádica: depois do SuperEu, o masoquismo é designado como pulsão primária.

A proposta de estudos neste semestre é, como sempre tem sido, retornar a Freud para diagnosticar o presente. E no atual estado da pandemia no Brasil, o presente é atravessado por dois fenômenos mortais: o coronavírus covid 19 e a negação de sua potência mortífera. Os negacionistas são sádicos ou masoquistas? Com Freud, são masoquistas e sádicos. Este par que Freud enlaçou é bem representado na imagem da litografia de M.C.Escher: “Vínculo de União”, abril 1956, escolhida para ilustrar nosso tema.

Retornamos ao ensaio Luto e Melancolia, escrito em 1912 e publicado em 1917. Pela melancolia seguimos para O Problema Econômico do Masoquismo (1924), para encontrar um problema que permaneceu em aberto desde a publicação dos Ensaios sobre a Teoria Sexual em 1905: qual a relação entre o masoquismo e o sadismo?

No ensaio, Neurose e Psicose (1924), ofereceu uma “fórmula simples” para psicodiagnóstico: “a neurose é o resultado de um conflito entre o Eu e o Isso, enquanto a psicose é o análogo desfecho de uma tal perturbação nos laços entre o Eu e o mundo exterior”. Freud voltou a este tema, meses depois, no ensaio A Perda da Realidade na Neurose e na Psicose para traçar a diferença fundamental: “na neurose uma porção de realidade é evitada pela fuga, enquanto na psicose é remodelada (…) dito de outra maneira, a neurose não nega a realidade, apenas não quer saber dela; a psicose a nega e busca substituí-la”.

Concluímos com o artigo Resumo da Psicanálise publicado na Enciclopédia Britânica em 1924: “a psicanálise cresceu num terreno bem delimitado para acessar os segredos das neuroses, sobretudo da misteriosa histeria, modelo paradigmático de toda neurose”. Freud inseriu-se no território dos filósofos, místicos e… charlatães para investigar “o fator psíquico” como fator etiológico no sofrimento neurótico e psicótico.

Bibliografia Básica:

FREUD, Sigmund “Luto e Melancolia” in: Obras Completas – volume 12. Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. FREUD, Sigmund “O Problema Econômico do Masoquismo”; “Neurose e Psicose”; “A Perda da Realidade na Neurose e na Psicose”; “Resumo da Psicanálise” in: Obras Completas – volume 16. Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Sigmund Freud & Sándor Ferenczi

Os amigos: Freud e Ferenczi

Na residência/consultório de Sigmund Freud em Viena, ocorreu o primeiro encontro com Sándor Ferenczi, médico de Budapeste. Mediado por Gustav Jung, a visita se deu na final de tarde de um domingo de janeiro de 1908, selando o destino desta amizade tão criativa e criadoura. Há uma psicanálise antes e outra depois deste encontro.

No dia seguinte, Ferenczi enviou carta de agradecimento, registrando seu desejo:

“sou imensamente grato por sua disposição em receber-me, um desconhecido para o senhor. No último ano, tenho me ocupado de sua teoria do inconsciente e fui convidado a expor suas ideias na Sociedade Real de Médicos de Budapeste. Escolhi o seguinte título: Neuroses atuais e psiconeuroses à luz das pesquisas de Freud e a psicanálise. O público é formado por médicos, em parte ignorantes e, em parte, mal-informados. Gostaria também de ser um mestre neste novo terreno delimitado pela experiência clínica do senhor”.

Freud em Viena; Ferenczi em Budapeste; 250km de distância de uma cidade a outra; mais de 1200 cartas, cartões e telegramas, cambiados entre 1908 a 1933. Escrita intensa e em ebulição, nas cartas encontramos um dos maiores registros do ato de criação dos principais livros e artigos do inventor da psicanálise e a incansável colaboração do jovem discípulo húngaro na causa do inconsciente.
Ferenczi chegou para a visita com o entusiasmo juvenil e o desejo de conhecer o autor do livro A Interpretação dos Sonhos, publicada por Freud em 1900. Admiração recíproca. Freud ficou encantado com a vivacidade e sagacidade do jovem visitante e, de pronto, o acolheu como amigo íntimo no seu núcleo familiar.

Ferenczi foi convidado para as férias de verão da família Freud em Berchtesgaden, região alpina no extremo sul da Alemanha. Numa carta, Freud declarou:

“espero ansiosamente por nossa primeira viagem para conversarmos sobre diversos assuntos e pelo prazer de sua agradável companhia. Vou reservar sua hospedagem numa pensão ou hotel próximo da bela casa que alugamos para abrigar toda a família. Assim ficará mais fácil tê-lo em nossa mesa e em passeios pelas montanhas com meus garotos”.

A resposta de Budapeste veio certeira:

“Poucas vezes aguardei com tanta ansiedade pelo período de férias como este ano. Agradeço imensamente o gentil convite. Já me imagino em passeio pelas montanhas bávaras e estou tão excitado quando seus diletos filhos. Será um prazer acompanhá-los em excursões nas montanhas”.

Desde o encontro inicial, da primeira até a última carta, Ferenczi dirigia a palavra à Freud chamando-o de Ilustríssimo Professor. Por sua vez, Freud iniciou com Caro Colega e, após a primeira viagem, Caro Amigo. A única exceção ocorre em duas cartas após a viagem à Sicília. Pela insistência da demanda do amigo por um pai, Freud dirigiu-lhe a palavra, com certa ironia, chamando-o de Caro Filho. E justificou:

“preferia ter um amigo autônomo; mas como você está criando tantas dificuldades, sou obrigado a aceitá-lo como filho. Sua luta de libertação não precisa se desenrolar entre as alternativas de revolta e da submissão. E, não exija de mim mais do que estou disposto a lhe conceder de bom grado”.

In: Jornal Cidade – Rio Claro/SP – 11/junho/2021 – Projeto Conhecimento para Todos

Psicanálise e Filosofia